Mais de vinte municípios do Sudoeste podem ter áreas de exploração de gás de xisto
Publicado em 14/06/2017

Da assessoria

Mais da metade dos municípios do Sudoeste estão nas áreas apontadas pela Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP) para exploração do gás de xisto. Levantamento da Coalisão Não Fracking Brasil aponta 24 municípios da região em áreas que estão contempladas no pré-edital da ANP para a 14ª rodada de licitações, marcada para setembro.

A proximidade dos leilões está mobilizando entidades do Sudoeste, que possui uma coordenação regional não fracking. O grupo esteve reunido nesta terça-feira (13) na Amsop (Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná) e prepara uma série de ações para criar em todos os municípios da região leis que proíbam o faturamento hidráulico, processo pelo qual o gás é extraído do subsolo e que pode contaminar os solos e águas com produtos químicos.

“A ideia é mobilizar os municípios para que possam aprovar leis que proíbam pesquisas sísmicas e operações para exploração do subsolo devido ao risco ambiental que isso pode acarretar”, explica o diretor executivo da Amsop, José Kresteniuk. Além da entidade de municípios, integram a coordenação a Assessoar, Grupo Gestor do Território, Acamsop, Assema e a ONG Coesus.

Em 11 municípios do Sudoeste leis deste tipo estão em tramitação, mas em mais de 20 não há nenhum tipo de regulação, segundo a coordenação não fracking. Na próxima semana uma série de eventos deve ser realizada em diversas cidades da região que podem ser afetadas pela exploração do gás de xisto.



Postado por: Celso Carnelutt
Fotos: Amsop