Gaeco deflagra segunda fase da “Operação Hígia” em Pato Branco
Publicado em 10/09/2019

O Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Núcleo de Francisco Beltrão deflagrou, na manhã desta terça-feira (10), a 2ª fase da “Operação Hígia”, que apura a prática de crimes contra a Administração Pública do Município de Pato Branco, como concussão, corrupção ativa e passiva, peculato, da Lei de Licitações, organização criminosa e lavagem de dinheiro, e tem como investigados funcionários públicos e empresários daquele município. Foram cumpridos, nesta manhã, dez mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Juízo Criminal da Comarca de Pato Branco, em residências e empresas, sendo apreendidos aparelhos de telefonia móvel, documentos e valores em espécie. Duas pessoas foram presas em flagrante por crime de posse ilegal de armas de fogo e munições.

Recentemente, o Gaeco, Núcleo de Francisco Beltrão, concluiu mais um inquérito policial decorrente da 1ª fase da operação. Foi apresentada denúncia contra 04 (quatro) pessoas, 03 (três) delas que exerceram, à época dos fatos, cargos de Secretários Municipais de Pato Branco, e 01 (um) servidor público, todos por envolvimento em crimes de peculato (que é o desvio de verbas/bens públicos). Apurou-se que, entre os anos de 2014 e 2017, os denunciados, em conluio com empresários que possuíam contratos de fornecimento de materiais elétricos com o município, montaram um esquema criminoso, caracterizado por emissões de notas fiscais de fornecimento de materiais com conteúdo ideologicamente falso (produtos não entregues), a fim de lastrear administrativamente o pagamento de valores pelo município, para posterior repasse a agente público. Somente neste caso, os desvios dos cofres públicos ultrapassaram R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais). A maior parte foi entregue, em espécie, para o então Secretário de Administração e Finanças do Município de Pato Branco, dentro de seu gabinete, na Prefeitura Municipal.

As investigações realizadas até o momento indicam semelhante modus operandi com relação a outras empresas, que passaram também a ser investigadas, sendo objeto das buscas realizadas nesta data.

 

Fonte: Gaeco Francisco Beltrão



Postado por: Ademir Hanzen-Panorama FM
Fotos: arquivo Diário do Sudoeste